Responsáveis e professores do INSP Kids participam de palestra com Psicóloga para auxiliar as famíli

Fortalecendo ainda mais a parceria família-escola em uma ação acolhedora, o Insp convidou a Doutora em Psicologia e Professora da PUC Minas, Mirelle França Michalick-Triginelli para participar de um bate-papo com pais e responsáveis da Educação Infantil para ajudá-los a organizar a rotina familiar com crianças pequenas durante o período de ensino remoto.

A especialista falou sobre várias temáticas relativas ao momento delicado que a humanidade atravessa, como o desafio de organizar uma rotina diária que contemple a conciliação de home office, home schooling, tarefas domésticas e cuidado com filhos.

“ As crianças estão se beneficiando com o convívio familiar, não desprezem o valor disso. Construam, junto com os filhos e por meio do diálogo, os combinados que vão ajudá-los a entender a importância da rotina”, aconselhou Mirelle.

Segundo ela, essa rotina deve ser organizada dentro do espaço do qual a família dispõe. As aulas e atividades do regime não presencial são uma oportunidade valiosa de estimular a autonomia das crianças e ajudá-las a entender e lidar com suas emoções. A especialistas listou algumas dicas valiosas que ajudarão a construir uma rotina benéfica para todos.

Organização. Cada família tem uma dinâmica própria mas, se possível, mantenha a rotina de atividades escolares remotas no mesmo horário da presencial. Caso não possa, não se cobre estar auxiliando o tempo todo, mostre à criança que ela pode fazer. Trazer ludicidade para esse momento ajuda, mas deixe claro que não é diversão, é responsabilidade e tem que ser feito. Isso ajuda na organização da criança. É importante, também, explicar o que está acontecendo, que não se trata de um período de férias.

Flexibilidade. Nesse momento, o rendimento é de outra ordem. Não se preocupe se a criança está conseguindo, ou não, executar as tarefas com perfeição, os ganhos virão com certeza, paulatinamente.

Acolhimento. Olhar com bons olhos o que ele está conseguindo fazer e ter paciência com as dificuldades. Nessa fase de aprendizagem, de modo geral, não existe atraso. Não se preocupe em medir o desenvolvimento, mas em manter a rotina de estudos. Se a criança estiver desmotivada, ajude-a a aumentar a atenção e a motivação para a tarefa.

Valorização. Quando for executar as atividades, ressalte que a professora preparou para ele e os colegas de turma com o maior carinho. Assim, a criança percebe que aquilo foi feito para ela, reforça o afeto e o pertencimento.

Estímulo. Para Piaget, as crianças entre 3 e 6 anos são pequenos cientistas. Querem testar o mundo. Alimente essa curiosidade com a ajuda imprescindível das atividades enviadas pela escola. Estimular a curiosidade é oferecer alternativa para a manutenção dessa curiosidade, se seu filho pergunta, questiona e se envolve, já é um sucesso.

Liberdade criativa. O ócio é fundamental como exercício livre de pensamento. Nessa fase, chega a ser mais valioso do que adquirir habilidades de leitura e escrita. É por meio dele que a criança faz o exercício de pensar o mundo, criar e resolver dilemas imagi